quarta-feira, 12 de outubro de 2011

PASSEIO A ESPOSENDE

Segunda Feira dia 03/10/2011, eu e o Saj Jorge Fonseca (companheiro de trabalho e de alguns passeios de BTT), resolvemos fazer um passeio (pois estava-mos de férias) utilizando sempre os caminhos junto ao mar. O encontro foi na Cidade da Póvoa do Varzim, tendo eu (natural e residente do Porto) apanhado o metro que me levaria há Cidade da Póvoa (local onde reside o Saj Jorge Fonseca). Por volta das 10 horas, cheguei há Povoa do Varzim e logo rumamos para junto do mar. Passeio sempre em ritmo baixo, lá pedalamos nós pelas ruas e caminhos (estes utilizados pelos muitos agricultores existentes na zona) até Ofir zona de praia no lado sul da foz do Rio Cavado. Passamos por algumas vilas piscatórias como A-Ver-o-Mar, Apúlia, estas a mais importantes da zona. Passeio bom, pois só assim é que nós conhecemos a verdadeira natureza e trabalho das gentes desta zona. A apanha do sargaço (para depois de seco ser utilizado na agricultura), as explorações agrícolas (onde se cultiva de tudo, batatas, cebolas, nabos, cenouras, couves, etc), também muitas estufas, isto tudo mesmo junto às dunas existentes na zona, as pequenas lotas (zona de venda de peixe), onde os pescadores da zona vendem a sua faina (robalos, polvos e outros peixes e mariscos da zona de costa onde exercem a sua pesca). As vivendas de verão, que estão nesta zona, os pinheirais, as praias magnificas com areais douradas. É verdade que esta zona é um pouco ventosa, mas diga-se que bem bonita, de gentes boas e bem dispostas e de boas comidas, afinal estamos em zona onde se come muito bem. Chegados a Ofir com uma praia bonita, mas que tem as “célebres torres”, que não ficam bem na paisagem, mas alguém neste país as deixou construir, a meu ver mal, pois afinal estão inseridas numa zona protegida, mesmo junto do mar, mesmo em cima da praia, e até ficamos admirados como o mar no inverno ainda não atirou com tudo abaixo. Depois temos a “zona do cabedelo”, língua de areia também com algumas construções (vivendas) com ruelas estreitas, com trânsito condicionado, e com uns passadiços (para se passear a pé, ou de bike), para se poder apreciar a zona lagunar da foz do Cavado, sempre a deslumbrar a Cidade de Esposende (isto do outro lado da margem), zona também não devia ter construção alguma, mas que infelizmente alguém permitiu que lá estejam as casas. Depois desta pequena incursão na zona de Ofir, rumamos para Fão, para depois de atravessar-mos a ponte andarmos pela cidade de Esposende. Saímos na estrada que dá acesso a Famalicão e depois entramos nos trilhos de terra batida que ladeiam a auto-estrada A29, mas já a caminho da Póvoa do Varzim, claro que só conseguimos fazer este caminho até há ponte que atravessa o Cávado, (esta a da auto-estrada), para logo andarmos por zonas rurais, e caminhos até chegarmos novamente até há ponte que atravessa o Cávado, novamente rumo a Fão. Resolvemos que estava na hora de regressar a casa e fizemos o resto do percurso na estrada nacional até há Póvoa do Varzim (eu depois ainda vim até ao Porto), também junto do mar. Foi um bonito passeio, que me agradou efectuar, pois foi numa zona que não conhecia e a companhia também foi excelente. Valeu a pena, qualquer dia há mais.

2 comentários:

Henrique Mário Soares disse...

Bom pelos vistos o passeio foi bom e essa zona é excelente para a prática do BTT. Conhecí essa zona no já longinquo ano de 2001, na altura em que comprei a minha "nina" e percorri trilhos fantásticos por esses lados na companhia do companheiro João (de Forjães). Na altura pedalávamos 4 amigos (o João, o Almiro, o Teixeira e eu) Foram tempos fantásticos e onde os passeios eram ainda poucos. O João conhecia/conhece esses trilhso de olhos fechados e assim iamos com ele montes fora sempre a curtir. Depois o infortunio e a doença levaram um amigo de pedaladas e a malta separou-se. Tenho saudades desses tempos, mas a vida é mesmo assim e são estas conviv~encias que nos fazem mais "ricos". Um abraço e boas pedaladas.

Jose Soares (cobrabtt) disse...

Pois é. Mas agora podemos qualquer dia fazer o mesmo passeio, isto nas tuas novas companhias das Bikes (O Estrada de Sousa, o Fernando Henriques, eu e também o Ricardo, mais alguns bons companheiros meus do BTT). Todos bons companheiros e bons Bttistas mas acima de tudo bens dispostos, pois de isto nos passeios de BTT, também se quer boa disposição.